sábado, 20 de outubro de 2018

BOLSONARO 17 - O BRASIL, NOVAMENTE LUTANDO PELA SUA SOBREVIVÊNCIA CIVILIZATÓRIA.

Estou com 68 anos, e vive na época da contra revolução de 1964. Do movimento cívico-militar contra o comunismo.

Posso dizer que hoje passamos pelas mesmas expectativas daqueles dias de 1964.
O Estado nas mãos dos facínoras, os comunistas, mas com algumas diferenças:
  • Em 1964 a Igreja Católica não estava infiltrada por "padres" e "bispos" comunistas e naquele ano ela fez a diferença;
  • Os militares eram mais confiáveis do que os atuais, com exceção de alguns bons membros dos quadro atual;
  • Havia na imprensa muitos profissionais sérios e honestos; Hoje são pouquíssimos, talvez para contar com os dedos de uma só mão;
  • Não tínhamos, em 1964, um judiciário, entenda-se STF e TSE além de outros puxadinhos deste poder tão contaminados.
Mas ainda temos o povo!

E nós, novamente, faremos a diferença!

domingo, 2 de setembro de 2018

VIGANÒ, GARRAFAS PLÁSTICAS. A RESPOSTA DO BERGÓGLIO

"O Papa pede defesa dos oceanos ante a ameaça dos plásticos" https://fratresinunum.com/2018/09/02/bomba-papa-francisco-finalmente-se-pronunciou/


Se frente a acusação do Monsenhor Viganò, https://pt.aleteia.org/2018/08/30/as-acusacoes-do-monsenhor-vigano-contra-o-papa-francisco-sao-verdadeiras/ o Bergóglio pensa que socorrendo-se atrás dos planos dos Globalistas ele está seguro, ledo engano.

Quando o ônus da sua imagem for maior que os benefícios que ele possa trazer aos globalistas, estes mais do que de pressa, lhe darão as costas.


domingo, 8 de julho de 2018

QUANDO OS COMUNISTAS INFECTAM.

O que está ocorrendo em Porto Alegre no TRF4, causado pelo desembargador (!?) Favreto, é a prova da nocividade do que seja o comunismo.

Infecta e destrói onde contamina.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

sábado, 2 de junho de 2018

CREPTOCRACIA. A INSURREIÇÃO

O combate do mal causado pela creptocracia Brasil não deve ser travada nos piquetes, bloqueios e muito menos na violência gratuita.

O campo de luta ao crime organizado (não só o enxertado no Estado) é o cultural.
O mesmo que os comunistas utilizaram para implantar o caos no país.
E o tempo, igualmente parcimonioso.
Gradual, constante mas insistente.
Que leve o tempo que levar: dez, vinte anos, não importa.
O importante é começar.

Assim deve ser o começo!
Nos bancos escolares.
Professores, não tios, mestres, ensinando o básico: a tabuada, operações aritméticas, gramática, geografia, história (as verdadeiras), mas acima de tudo, ensinando posturas, respeito e Fé!

Ensinando que gênero é um só: o humano!
Pai e mãe, é um homem e uma mulher!
Ensinar o Brasil. O verdadeiro Brasil, não o falso das novelas, das tv's,..., das esquerdas.
O ensino da religião, o fundamental.
    • Não do ecumenismo sincrético!
Mas os fundamentos das mensagens da religião que moldou a civilização ocidental.
O ensino deve ser religioso, mas respeitando a orientação familiar.

Ao mesmo tempo se insurgir contra o atual meio cultural.
Rebelar-se contra as atuais mensagens apologéticas dos programas das televisões.
Recusar as mentiras dos noticiários televisionados e escritos.
Impor, por meio do boicote, quaisquer, a censura às mensagens contrárias ao sentimento da moral conservadora da população.

Impedir que padres, bispos e cardeais, e pastores protestantes preguem o comunismo e o relativismo nos púlpitos.
Na Igreja Católica, forçar que os sacerdotes retornem ao evangelho da Igreja que visa mundo pós vida. Não as de uma Igreja Social.
Firmeza nas posições em favor da vida.

Que as crianças, pertencentes que são ao gênero humano, são como tal, merecedoras de receberem a defesa que impeça os seus covardes assassinatos.


Opor-se ao caos, a insurreição contra o banditismo que assola o Brasil, vem da força e na constância da Fé.
Precisam ser ações constantes, permanentes, corajosas, fortes, individuais ou coletivas, contra as infâmias que infestam a nossa sociedade.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

CREPTOCRACIA. A INSURREIÇÃO.

A verdade é que ninguém, ao menos da área oficial do Estado brasileiro, propôs, ou ao menos se manifestou, apontando a causa real da crise epidêmica que assola o Brasil.

A creptocracia!

O Estado, dominado por creptocratas, assim, uma instituição que está com a sua saúde moral e ética falida, necessita de pronto e profundo tratamento.
Esta patologia não se combate com medicamentos leves, mas com tratamento de choque.
Nada a haver com radicalismo, mas com as severas penas contidas nos limites da moral e da ética; penas restritas da convivência humana e previstas em leis.

É claro que o movimento dos caminhoneiros foi importante, mas não soubemos, agora falo dos brasileiros em geral, direcionar a revolta contra o mal real.
Compensar o desconto do PIS/Confins em favor da oneração da folha ou de onerar outros impostos evidentemente não são soluções. 
São ações de espúrios. Biombos para escamotear as continuas explorações que os cidadãos são vitimados. 

Os creptocratas
Enxota-los!
Todos: presidente, ex-presidentes, senadores, deputados, ministros, juízes, desembargadores, governadores, secretários, prefeitos, vereadores, diretores de autarquias, diretores de empresas públicas e mistas, funcionários públicos desonestos, assessores de parlamentares e de todos os setores dos serviços públicos, dos sindicatos; das ONG's aos mentirosos jornalistas das redes normais de notícias, as verdadeiras fontes das notícias falsas,...
Pais, filhos, netos, maridos, esposas, avos, tios, parentes, amantes, amigos ocultos,...
Colocar a todos nos bancos dos réus.
A questão é:
E se o Estado não tem mais os mecanismos do seu auto controle?
O judiciário contagiado, o legislativo contaminado e o executivo infectado.
Se o Estado, a Nação, sofre da pandemia?

O que fazer se os juízes também são corruptos?
É bom lembrar que já temos uma ponta de esperança. 
Nem todos os juízes, especialmente lotados nas primeiras estâncias, inúmeros juízes mostram, independente de suas tendências politicas ou ideológicas, o caminho para o ponta pé inicial da arrumação do Estado.

O tratamento da patologia, as pressões, não devem ser apenas diárias, ou semanais, mas frequentes; sem quartel. Não direcionadas, especificamente à estrutura tributária e à casos isolados, mas em favor dos comportamento geral da moral e ética. 
Sendo moral e ético, o tratamento deve visar não apenas os quadro do Estado, também ao nossos comportamentos como simples cidadãos.

(No próximo, como combater o mal.)